NOTÍCIAS

Educação Básica 13:51, 30 out 2015 Reformulação do Ensino Médio brasileiro é tema de seminário nacional, que acontece em Manaus

Foto: Eduardo Cavalcante/ASCOM SEDUC-AM

Para o secretário de Estado de Educação do Amazonas, vice-presidente do Consed e coordenador do Eixo-Reformulação do Ensino Médio, Rossieli Soares da Silva, a discussão é necessária. "Nos moldes de ho

Para debater e propor medidas visando a reformulação do ensino médio que hoje é desenvolvido no Brasil, coordenadores educacionais de todos os Estados brasileiros estão reunidos em Manaus no II Seminário do Ensino Médio. O evento iniciado nesta quinta-feira (29) se estenderá até o próximo sábado e é promovido pelo Conselho Nacional de Secretários de Educação (Consed), sendo patrocinado pelo Itaú BBA, que faz parte do Grupo Itaú Unibanco. O seminário conta, também, com a participação do secretário de Educação Básica do Ministério da Educação, Manuel Palácios.

Como medida concreta, ao promover o seminário, o Eixo-Reformulação do Ensino Médio do Consed está debatendo sugestões e formalizará um conjunto de propostas sugerindo inferências no Projeto de Lei nº 6840/2013 em tramitação no Congresso Nacional.

No último dia do evento, no próximo sábado (31), o seminário terá a participação de todos os secretários de Estado de Educação do país e também do deputado federal Reginaldo Lopes (PT-MG), autor do requerimento que instituiu, na Câmara Federal, a Comissão Especial destinada a analisar e dar parecer ao Projeto de Lei 6840/2013, que trata da reformulação do ensino médio brasileiro.

Para o secretário de Estado de Educação do Amazonas, vice-presidente do Consed e coordenador do Eixo-Reformulação do Ensino Médio, Rossieli Soares da Silva, a discussão é necessária. "Nos moldes de hoje, o ensino médio brasileiro tem apenas uma caminho. Estamos trabalhando para mudar esse modelo 'engessado', no sentido de sua flexibilização. Precisamos que o ensino médio contemple as diversidades e que trabalhe com as possibilidades", enfatizou.

Segundo o secretário, o encontro serve para fortalecer o debate que já vem sendo realizado em âmbito nacional e também para consolidar propostas de reformulação do ensino. "No seminário serão discutidas propostas como a possibilidade de composição do currículo com áreas optativas para o aluno; o ensino com mediação tecnológica; a formulação de um currículo dividido por áreas do conhecimento; a proposta de semestralidade, além de ações específicas voltadas para um melhor desenvolvimento do ensino médio noturno", citou Rossieli Silva.

Estão participando do seminário, como conferencistas, o economista e articulista Cláudio de Moura e Castro, que atuou no Banco Mundial, Banco Interamericano de Desenvolvimento e ex-presidente da Capes e que preside hoje o Conselho Consultivo da Faculdade Pitágoras;  Maria Helena de Castro, diretora-executiva da Fundação SEADE; Priscila Cruz, presidente do Movimento Todos pela Educação; Mozart Neves, diretor de Articulação e Inovação do Instituto Ayrton Senna; Marcelo Feres, secretário de Educação Profissional e Tecnologia do Ministério da Educação (MEC); Ricardo Cardozo, coordenador geral de Ensino Médio da Secretaria de Educação Básica do MEC; Cláudia Davis, representante da Fundação Carlos Chagas; David Pitombeira, consultor da área de Planejamento do Governo do Estado de Goiás; Ana Inoue e Beatriz Ferraz, responsáveis pelas ações sociais do Itaú BBA; Ricardo Paes de Barros, professor titular da Cátedra Instituto Ayrton Senna no Insper; Ricardo Henriques, superintendente executivo do Instituto Unibanco; Simon Schwarzmann, membro da Academia Brasileira de Ciências e ex-presidente do IBGE

Reestruturação necessária - Para um dos conferencistas do seminário, o economista e hoje presidente do Conselho Consultivo da Faculdade Pitágoras, Cláudio de Moura Castro, o grande problema do ensino educacional no Brasil, especialmente o do ensino médio, é a forma como é estruturado.

"O ensino médio tem um problema gravíssimo de arquitetura. Ele não oferece alternativas, não tem diversificação, não consegue absorver dentro dele o ensino técnico e tem matérias em demasia.  É um dos sistemas mais fechados do mundo em termos de ensino. Em resumo, é inviável. Se quisermos melhorar, temos que mudar a arquitetura dele, agindo no núcleo", apontou

Para Cláudio de Moura Castro, a discussão em torno da reformulação do ensino médio, suscitada pelos secretários de Estado de Educação, via Consed, é fundamental. "Os secretários de educação resolveram enfrentar esse 'monstro de sete cabeças' que já vem engolindo vários esforços. Para eliminar o que é ruim é necessário um esforço enorme e isso conseguimos com o esforço conjunto", concluiu.

Foco em Inovação - Para a diretora do movimento Todos Pela Educação, Priscila Cruz, é necessário uma frente conjunta de esforços para a modernização do ensino médio no país. "Precisamos atuar em duas frentes paralelas de trabalho. Frentes estas que são complementares e vão apontar para a reforma do ensino médio. Uma das frentes deve estar focada na qualidade do ensino ministrado. Em outra frente de trabalho, devemos priorizar a inovação. Infelizmente o Brasil registra um elevado índice de evasão no ensino médio e isso, se dá, muitas vezes, pelo fato de que o aluno não consegue encontrar pertinência entre o que aprendem na sala de aula com o projeto de vida deles.

Para Priscila Cruz, a inovação em questão atuará para modificar essa realidade. "Superando o modelo escolar retrógrado no qual os alunos ficam enfileirados anotando tudo o que o professor escreve no quadro. Sem inovação, este é um método de ensino feito pra não funcionar. Então com essas duas frentes, o ensino básico de qualidade aliado a inovação, poderemos realizar as mudanças", destacou.


Tags: Consed Gestão Escolar Portal Gestão da Educação MEC Educação Básica AM Pacto do Ensino Médio eixos prioritários Comissão de Educação Ensino Médio Inovador Ensino Médio Noturno SEB Instituto Unibanco Movimento pela Base Nacional Comum TPE