NOTÍCIAS

Restauração 13:14, 8 jul 2019 Patrimônios históricos da Educação são recuperados em Alagoas

O Centro de Estudos e Pesquisas Aplicadas (CEPA) também passou por revitalização Escola Estadual Gabino Besouro, Penedo Escola Rocha Cavalcanti, patrimônio tombado de União dos Palmares, tem mais de 90 anos de história Reforma já deu nova vida à Escola Estadual Aristheu de Andrade, em Colônia Leopoldina Com 95 anos, a Escola Estadual Messias de Gusmão, de São Luiz do Quitunde, é considerada uma “fênix renascida das cinzas”
Foto: Valdir Rocha

Obras promovem melhorias estruturais sem alterar características originais de instituições que são referências nos municípios

Texto de Ana Paula Lins

A história da Educação de Alagoas é diariamente escrita por homens e mulheres que se dedicam a transformar a vida de jovens por meio da aprendizagem, estímulo ao protagonismo e à criatividade. E muitas destas histórias se passaram em escolas e prédios históricos que também são parte da identidade de nosso estado, formando diferentes gerações de alagoanos. Sabendo da importância destes espaços, o Governo de Alagoas, por meio da Secretaria de Estado da Educação (Seduc), dedicou-se a recuperar patrimônios históricos e educacionais nos últimos quatro anos.

Um dos casos mais emblemáticos é a Escola Estadual Messias de Gusmão, de São Luiz do Quitunde, uma “fênix renascida das cinzas”. Completando 95 anos este ano – foi fundada em 1921, mas passou a funcionar em 1924 –, a imponente unidade de ensino, orgulho dos quitundenses, teve entre seus alunos três governadores de Alagoas: Divaldo Suruagy, Lamenha Filho e Silvestre Péricles. No entanto, fortes chuvas no ano 2000 inviabilizaram o funcionamento da unidade de ensino, que permaneceu desativada até 2017, ano em que o governador Renan Filho e o secretário de Estado da Educação, Luciano Barbosa, devolveram-na à população após reconstruí-la dos escombros.

Outra nonagenária ilustre é a Escola Estadual Rocha Cavalcanti, de União dos Palmares. Segundo prédio tombado do município, a escola formou centenas de educadores palmarinos e, em agosto de 2018, teve sua reforma concluída, o que evidenciou ainda mais sua beleza. Também tombado é o prédio da Escola Estadual Adriano Jorge, primeira escola estadual de Arapiraca e que esperou 20 anos por uma reforma, sonho que se concretizou em outubro de 2017.

As obras renovam espaços que trazem consigo a história dos seus municípios. “Com mais de 90 anos de história, nossa escola formou muitos palmarinos, sendo um patrimônio histórico, educacional e cultural do município. A reforma deu novos ares a um prédio que já é naturalmente encantador", comemora a diretora Sandra Vitorino, da Escola Estadual Rocha Cavalcanti, em União dos Palmares.

“Buscamos manter as características originais destes prédios, preservando fachadas, pisos e esquadrias. Tudo isso em consonância com as demandas da engenharia moderna”, explica o superintendente de Infraestrutura da Seduc, João Paulo Montenegro.

A capital Maceió também viu alguns de seus principais patrimônios históricos e educacionais serem recuperados, a exemplo da Escola Estadual Edmilson Pontes, o antigo Lyceu Alagoano; o Grupo Escolar Diegues Jr, na Pajuçara – hoje sede da 1ª Gerência Regional de Educação (Gere) – e o Centro Educacional de Pesquisa Aplicada (Cepa), que foi revitalizado em 2018, ano em que comemorou 60 anos de existência.

Já em São Miguel dos Campos, outro prédio recuperado foi o da 2ª Gere, que, mesmo não tendo um passado ligado à educação, foi lar de uma importante figura histórica do município e do estado: Manuel Duarte Ferreira Ferro, o Barão de Jequiá, filho de Ana Lins (uma das grandes personalidades femininas da história de Alagoas) e irmão de João Lins Viera Cansanção de Sinimbu, o Visconde de Sinimbu – este último presidente de diversas províncias durante o período imperial.

Obras em andamento

Outras instituições históricas beneficiadas com reformas foram as escolas estaduais Rui Barbosa, em Anadia; Constança de Góes Monteiro, em Major Izidoro; Oliveira e Silva, no Pilar; Aristheu de Andrade, em Colônia Leopoldina; Deodoro da Fonseca, em Marechal Deodoro; Francisca Rosa, em Delmiro Gouveia; Ormindo Barros, Mileno Ferreira e Padre Francisco, em Santana do Ipanema; Gabino Besouro e Comendador José da Silva Peixoto, ambas em Penedo.

Estão em obras as escolas estaduais Nossa Senhora da Apresentação, em Porto Calvo; Dona Santa Bulhões, em Porto Real do Colégio; Edite Machado, em Capela; Guiomar de Almeida (o antigo Grupo Escolar 7 de Setembro), em Maceió, além de três escolas do Cepa – Silveira Camerino, Rosália Ambrozzio e D. Pedro II. Também estão previstas obras nas escolas estaduais Humberto Mendes, de Palmeira dos Índios – que completa 60 anos em 2020 – e Ambrósio Lyra, em Passo de Camaragibe.


Tags: Alagoas AL patrimônio Restauração