12:22, 15 out 2015
Paraná

Merendeiras tornam refeições mais saborosas e nutritivas

Foto: Hedeson Alves/SEED-PR

Mais recursos permitiram a ampliação de opções no cardápio, a compra de alimentos frescos e orgânicos, mudanças na logística de entrega dos produtos. E o mais importante: merendeiras e merendeiros das escolas fazem novos cursos de capacitação e sempre acertam no tempero das refeições servidas a mais de um milhão de alunos todos os dias.

Às 11 horas, de segunda a sexta-feira, Rita Desireê Almeida, Rosália Olezuk e Valdirene Aparecida Braz começam a finalizar os 12 pratos que vão servir ao meio-dia, em ponto, aos alunos do Colégio Estadual Elza Schener Moro, em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.

As merendeiras apostam na variedade, com arroz, feijão, carne com cenoura e batata, farofa de ervilha, abobrinha refogada, creme de milho, suco de acerola. Saladas e legumes não faltam. Os estudantes provam alface, brócolis, beterraba e repolho com couve. Na sobremesa, doce de leite e batata doce caramelizada. “Nós tentamos agradar todos os alunos”, explica Rita.

A refeição é servida diariamente para mais de 60 estudantes do programa Mais Educação de contraturno escolar, com oficinas de desenho em quadrinhos, dança, literatura e brinquedoteca.

Segundo Rita, é possível preparar pratos diferentes todos os dias graças à variedade de alimentos recebidos pela escola e a criatividade dela e das companheiras de cozinha. “Todo dia é uma correria para terminarmos tudo a tempo, mas a recompensa vem quando os alunos comem e repetem”, conta Rita.

Além de oferecer uma alimentação saborosa, a escola ensina os estudantes a terem uma alimentação saudável. “Aprendi que salada faz bem e nos ajuda a crescer, agora eu como todos os dias na escola e em casa também”, diz a aluna Brenda Gabriele Cezarotto, 11 anos, do 6° ano.

Para a cozinheira Rosália, que trabalha há 29 anos em escolas, a alimentação na rede estadual nunca foi tão variada e nutritiva como agora. “Alguns alunos vem para a escola com fome e essa é sua principal refeição. Para nós é uma bênção poder servir uma boa alimentação para eles”, diz Rosália.

TUDO NATURAL – “A merenda que é servida hoje não se compara ao que era antes”, ressalta o vice-diretor, Marcio Bitencourt.

Toda terça-feira, o colégio Elza Schener Moro recebe panificados, frutas, verduras e hortaliças frescas diretas do produtor da agricultura familiar. Antes, a comida era industrializada e enlatada. “Todo dia a comida é muito gostosa e sempre saudável”, aprova a aluna Geovana de Souza, 11 anos, do 6° ano.

A lista de alimentos entregues às escolas estaduais tem mais de 150 itens divididos em três grupos: produtos não perecíveis, entregues quatro vezes por ano às escolas; alimentos congelados (carnes e peixes), entregues a cada 15 dias; e alimentos da agricultura familiar, entregues semanalmente.

“A merenda escolar deu um salto em qualidade nos últimos quatro anos com mais variedade de gêneros, inclusão de congelados e orgânicos e ações de educação alimentar”, explica a diretora de Infraestrutura e Logística, da Secretaria da Educação, Márcia Stolarski. “Agora, vamos ampliar a oferta de produtos orgânicos e para alunos com necessidades alimentares especiais, como diabéticos, celíacos e intolerantes à lactose.”

CURSO - Na segunda-feira (5), a Secretaria de Estado da Educação abriu o curso de capacitação para merendeiros das escolas estaduais.

A Formação Continuada, na modalidade de ensino a distância (EAD), terá duração de 30 dias, com 24 horas de carga horária divididas em quatro módulos. O conteúdo inclui manipulação e limpeza dos alimentos, conservação adequada de perecíveis, higiene da cozinha e refeitórios e orientações sobre como servir cada tipo de alimento.

Nesta primeira fase, serão atendidos os Núcleos Regionais de Educação de Assis Chateaubriand, Dois Vizinhos, Ibaiti, Loanda, Pitanga, União da Vitória e Wenceslau Braz. Serão 770 vagas.

Em novembro, será a vez dos Núcleos de Cianorte, Ivaiporã, Jacarezinho, Paranavaí e Umuarama. Até o fim de 2015, serão capacitados 1.540 manipuladores de alimentos.

Compartilhar

Outras Notícias