NOTÍCIAS

Amapá 15:53, 26 fev 2018 Governo destaca avanços da gestão compartilhada militar na Escola Risalva do Amaral

Foto: Erich Macias

Por Eloisy Santos

Pelo segundo ano consecutivo, a Escola Estadual Professora Risalva Freitas do Amaral funcionará por meio de gestão compartilhada entre a Secretaria de Estado da Educação (Seed) e Corpo de Bombeiros Militar do Amapá (CBM/AP). O modelo deu tão certo, que a instituição foi uma das mais procuradas para a matrícula de estudantes, na zona norte de Macapá, em 2018. Calouros e veteranos, além de contar com toda a estrutura da gestão compartilhada para a formação de jovens, agora terão uma nova ferramenta implantada pelo Governo do Amapá na rede estadual, que é o Cartão Escola, para maior controle e transparência dos investimentos em educação.

A abertura do ano letivo na escola ocorreu nesta sexta-feira, 23, com uma programação especial para receber os estudantes, os pais ou responsáveis e os funcionários da instituição localizada no bairro Pantanal. Teve até apresentação da tropa de alunos com execução do Hino Nacional Brasileiro na abertura e do Hino do Amapá no encerramento. A execução dos hinos é uma das iniciativas do modelo de gestão compartilhada para resgatar o civismo e incutir nos estudantes o sentimento de patriotismo.

O governador Waldez Góes fez questão de receber a comunidade escolar nas primeiras horas do dia, juntamente com sua equipe de governo, que preparou o ambiente para acolher os alunos e profissionais de educação. Ele mencionou a importância desse modelo de ensino para a formação dos jovens amapaenses, exemplificando os ensinamentos que recebem, além da matriz curricular como disciplina, noções de ética, cidadania, respeito ao próximo, entre outros.

“É perceptível a evolução dos estudantes das escolas de gestão compartilhada, não só no ambiente escolar, mas também nas suas relações familiares e em sociedade. Eles se tornam preparados para enfrentar as decisões da vida, os obstáculos. Todos irão testemunhar a evolução dos índices da nossa educação. Essa é uma política de Estado que devemos fortalecer para o desenvolvimento do nosso Amapá e da nossa gente”, enfatizou o governador.

Expansão

Por enquanto, a Escola Risalva do Amaral é a única que tem gestão compartilhada com o CBM/AP. A outra escola que funciona com esse modelo é a Antônio Messias, no bairro Zerão, zona sul de Macapá, que compartilha a gestão entre a Seed e Polícia Militar do Amapá (PM/AP). Os resultados positivos fizeram com que o modelo fosse ampliado para o município de Santana, onde a primeira escola a funcionar com gestão compartilhada entre a Secretaria de Educação e PM/AP, em 2018, será a Afonso Arinos, na área portuária.

Juntas, as três escolas alcançarão mais de 2,6 mil estudantes neste ano letivo. O governo também já estuda a implantação da gestão compartilhada da educação nos municípios de Laranjal do Jari e Oiapoque, prioritariamente.

Waldez Góes também citou outros investimentos que fortalecem ainda mais a educação, como o projeto de Práticas Restaurativas, o Colabora Amapá e o Cartão Escola, cuja ferramenta já foi entregue aos gestores adjuntos das escolas estaduais, entre elas a própria Risalva do Amaral.

Credibilidade

Segundo a diretora em exercício da escola, Liliane Borges, o primeiro ano da gestão compartilhada foi de desafios, mas também de grandes avanços. “Percebemos uma evolução muito grande nos nossos estudantes quanto à disciplina, o cuidado com a escola, além de ter conseguido trazer os pais para dentro da instituição, participando ativamente da vida escolar de seus filhos e os motivando a continuar”, pontuou a diretora, citando premiações importantes conquistadas pelos estudantes.

Presente no evento, o comandante-geral do CBM/AP, coronel Wagner Coelho, mencionou que os bons resultados presenciados da educação com gestão compartilhada despertaram o interesse dos pais em matricular seus filhos na instituição. Dados da Secretaria de Estado da Educação mostram que as vagas para a escola Risalva do Amaral esgotaram em 30 minutos após a abertura do sistema.

“Foi notória a preferência dos pais no ato da chamada escolar e da pré-matrícula e isso demonstra a credibilidade desse modelo de ensino, o que nos dá satisfação. Estamos fazendo o melhor para assisti-los. Pois educar, também, é salvar vidas”, testemunhou o comandante do Corpo de Bombeiros.

A instituição atende 906 alunos dos ensinos fundamental e médio regular, além da Educação de Jovens e Adultos (EJA). No mês de janeiro, a escola formou a primeira turma com 66 estudantes do 3º ano do ensino médio regular e da 2ª etapa do EJA.

“Temos desafios diários, mas quando se tem equipes engajadas, alinhadas, todos os entes participando, é possível superá-los. As escolas de gestão compartilhada se tornaram referência e demonstram que é possível fazer educação de qualidade no nosso Estado”, frisou a secretária de Estado da Educação, Goreth Sousa.

Uma das autoridades presentes na aula inaugural da Escola Risalva do Amaral foi o promotor de Justiça de Defesa da Educação do Ministério Público do Amapá (MP/AP), Roberto Alvares, que avaliou a gestão compartilhada como um modelo diferenciado de ensino. “A sociedade precisa viver de forma digna e honrada e é o que esse modelo de gestão nos ensina. É um projeto que tem dado certo e que trará, ainda mais, bons resultados. Enquanto agente fiscalizador desse sistema, afirmo que a iniciativa é digna de aplausos”, considerou Alvares.



Tags: Amapá AP