NOTÍCIAS

Sergipe 09:59, 27 abr 2017 Governo de Sergipe inicia formação em educação prisional

Formação em Educação prisional Formação em Educação prisional
Foto: Maria Odília/ Seed

Evento é direcionado a professores, técnicos pedagógicos, agentes socioeducativos e penitenciários e demais profissionais que atuam com pessoas em privação de liberdade

Com o objetivo de fortalecer a política de atendimento às necessidades básicas da Educação Prisional em Sergipe, por meio dos processos de ensino e aprendizagem da Educação de Jovens e Adultos (EJA), as secretarias de Estado da Educação (Seed) e da Justiça e Defesa do Consumidor (Sejuc) iniciaram nesta quarta-feira, 26, no hotel Orion, em Aracaju, ao V Ciclo Formativo de Educação Prisional, que traz como tema ‘Desafios e Possibilidades da EJA em Sergipe´.

De acordo com a chefe do Serviço de Educação de Jovens e Adultos do Departamento de Educação da Seed (Seja/DED/Seed), Aldjane Moura, o governo estadual pretende, com esta ação de formação continuada - ofertada para professores, técnicos pedagógicos, agentes socioeducativos e penitenciários e demais profissionais que atuam com pessoas em privação de liberdade e ou que estão em cumprimento de medidas socioeducativas -, promover a qualidade do processo educativo do sistema prisional, "entendido como elemento de transformação e ressocialização".

"Nesta perspectiva, estes ciclos formativos contemplam temáticas da compreensão sócio histórica da realidade prisional, competências técnicas nas áreas de atuação de cada segmento envolvido e uma visão transpessoal na relação entre os profissionais e as pessoas privadas de liberdade", explicou Aldjane, ao fazer a abertura do evento.

A programação do V Ciclo Formativo de Educação Prisional teve início com a apresentação de duas palestras para discussão da gestão dos espaços pedagógicos no sistema prisional, proferidas pelo professor, Flávio Tonnetti (Unit), e pela delegada de polícia, Georlize Teles.

Professor de Educação em cursos de mestrado e doutorado da Universidade Tiradentes, Tonnetti abordou junto ao público uma concepção de educação como forma de sugerir algumas ideias de condução do trabalho relacionado ao ambiente prisional.

"É importante lembrarmos aos profissionais que tanto a prisão quanto a escola são instituições muito parecidas do ponto de vista formal e de seus objetivos. Por isso buscamos fazer com que os educadores lembrem do lugar onde estão, que pode ser pensado a partir uma nova perspectiva que não apenas a da disciplina e do controle", destaca Flávio Tonnetti, ao falar sobre as possibilidades de reinvenção do espaço de docência dentro dessas instituições.

Para o palestrante Tonnetti, o maior desafio para os profissionais que atuam com educação prisional é criar oportunidades efetivas de que seus alunos mudem. "O que se espera da educação no contexto prisional é que esses alunos possam ter perspectivas para quando saírem do encarceramento poderem ser reinseridos socialmente".

Após as palestras foi aberto espaço para diálogo entre os participantes. Atuando como professora de Educação de Jovens e Adultos há cinco anos no Centro de Atendimento ao Menor (Cenam) - unidade socioeducativa do governo estadual, localizada em Aracaju, que abriga adolescentes do sexo masculino em conflito com a lei, sob regime de internação -, Viviane Dantas afirmou que um dos desafios na educação desses internos é a própria condição de privação a que estão submetidos.

"O desafio nosso é propor atividades que possa motiva-los e possa despertar neles o interesse pela educação de uma forma geral, pois eles apresentam uma defasagem idade/série muito alta, então, por meio do nosso trabalho, buscamos resgata-los e dar um nosso sentido às suas vidas", disse Viviane, ao ressaltar que esta formação é primordial enquanto subsídios para qualificação do processo de ensino e aprendizagem de jovens e adultos.

Segundo a professora da rede estadual Renildes de Melo Souza, que também leciona para adolescentes internos do Cenam, essa formação continuada atende uma demanda por "renovação de conhecimentos". "Aqui nesta formação estamos aprimorando nossos entendimentos quanto à metodologia da Educação de Jovens e Adultos, especificamente na oferta dessa modalidade em sistemas socioeducativos e prisionais".

A quinta edição da formação continuada em Educação Prisional contempla ainda, no período da tarde, oficinas de práticas educativas, envolvendo os temas: Leitura e Letramento; Direitos Humanos; Educação Patrimonial e Jogos no Ensino da Matemática. Em seguida, às 16h, será realizada uma plenária para apresentação de trabalhos.

VI Ciclo Formativo

Com o mesmo tema, nesta quinta-feira (27), as secretarias de Estado da Educação (Seed) e da Justiça e Defesa do Consumidor (Sejuc) darão início ao VI Ciclo Formativo de Educação Prisional.

A programação da sexta etapa da formação continuada para aprimoramento do sistema educativo do sistema prisional contará com uma dinâmica motivacional e com a palestra: Educação Prisional: Desafios e Possibilidades da EJA em Sergipe. Logo após, será realizado um debate entre os participantes. Na parte da tarde, às 14h, haverá a continuidade das oficinas temáticas. E por volta das 16h, acontecerá mais uma plenária de apresentação de trabalhos.


Tags: Formação Continuada Formação de Professores Sergipe SE