NOTÍCIAS

Santa Catarina 16:20, 16 ago 2016 Governo de Santa Catarina e Sadia lançam programa de educação alimentar para crianças

Os professores são orientados por meio de palestras e materiais didáticos. Para o secretário de Estado da Educação, Eduardo Deschamps, a iniciativa vem ao encontro dos objetivos da Secretaria de Educação. Para o piloto, 20 escolas da região da Grande Florianópolis serão impactadas, contemplando mais de 500 alunos do Ensino Fundamental Anos Iniciais. Saber Alimenta
Foto: Osvaldo Nocetti

Projeto-piloto batizado de “Saber Alimenta” será inserido no currículo de 20 escolas da Rede Estadual de Ensino do Estado e, até 2018, poderá atingir 500 mil alunos

A Secretaria de Estado da Educação de Santa Catarina e a Sadia, marca líder de mercado da BRF, lançam oficialmente hoje, 16, o projeto-piloto Saber Alimenta nas escolas da rede pública estadual. O objetivo do programa é criar oportunidades para os alunos se tornarem protagonistas de hábitos alimentares mais saudáveis na escola e em suas famílias, por meio da formação dos educadores. Esta iniciativa é resultante da parceria entre a Sadia e a Jamie Oliver Food Foundation (JOFF) e o Estado catarinense será o único do Brasil a oferecer o programa em escolas públicas.

“É muito satisfatório desenvolver o projeto-piloto em Santa Catarina, berço da BRF. Desta forma, valorizamos ainda mais as origens da companhia com um programa educacional inovador”, afirma José Roberto Rodrigues, vice-presidente de Integridade Corporativa da BRF. Na região, a BRF apresenta seis unidades produtoras e gera mais de 22 mil empregos diretos. A receptividade da Secretaria de Educação foi fundamental para dar andamento ao programa: “Já engajados em iniciativas voltadas à alimentação, o corpo diretivo da Secretaria aceitou somar forças e se engajar nesta causa. Acreditamos que a cooperação é a verdadeira base para uma transformação real e a longo prazo”, finaliza Rodrigues.

Para o piloto, 20 escolas da região da Grande Florianópolis serão impactadas, contemplando mais de 500 alunos do Ensino Fundamental Anos Iniciais, entre 6 e 10 anos. Nesta semana, mais de 40 educadores, entre professores e especialistas pedagógicos, participarão do primeiro encontro de formação que soma 40 horas para poder introduzir o conteúdo programático no currículo escolar.

Para o secretário de Estado da Educação, Eduardo Deschamps, a iniciativa vem ao encontro dos objetivos da Secretaria de Educação. “Trabalhamos para promover a alimentação saudável, e este programa vem complementar o curso de formação em Educação Alimentar e Nutricional já oferecido às escolas da Rede. Após a avaliação dos resultados obtidos com o piloto, o programa poderá ser estendido para outras escolas, podendo atingir as 1.080 escolas até 2018”, explica. A rede estadual de Santa Catarina contempla o fundamental e Ensino médio e envolve mais de 500 mil alunos.

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), a obesidade é considerada um dos maiores problemas de saúde pública do mundo: caso nada seja feito, a projeção é que o número de crianças com sobrepeso e obesidade no mundo atinja 75 milhões até 2025. Outro estudo recente publicado no Journal of Human Growth and Development indica que apenas 12,5% dos adolescentes brasileiros consomem uma porção de frutas, legumes ou verduras por dia – enquanto a OMS recomenda no mínimo cinco porções.

Origem do programa “Saber Alimenta”: a parceria com a Fundação do chef britânico Jamie Oliver faz parte de um amplo projeto, que já vem sendo desenvolvido pela Sadia e está estruturado basicamente em três pilares fundamentais: garantia de elevados níveis de bem-estar animal, um programa voltado à educação alimentar nas escolas, além dos novos produtos da marca. “O foco principal é promover uma mudança significativa na alimentação dos brasileiros Queremos que a relação com a comida se torne cada vez mais equilibrada e agradável”, afirma Cecília Mondino, diretora de marketing da Sadia. O programa adaptado à realidade brasileira – formatado em parceria com a Jamie Oliver Food Foudation (JOFF) e com apoio da Lynx Consultoria –, é baseado no “Kitchen Garden Project”, já introduzido pelo britânico nas escolas do Reino Unido.

Os professores são orientados por meio de palestras e materiais didáticos sobre como cobrir o currículo tradicional inserindo informações dos alimentos nas aulas e, desta forma, promover mudanças efetivas na alimentação de seus alunos. O conteúdo pedagógico inclui receitas práticas desenvolvidas por Jamie Oliver e adaptadas pelo próprio chef considerando os ingredientes mais acessíveis no Brasil, como banana, maçã, mandioca, abacaxi, entre outros. “São receitas fáceis de preparar, inclusive em sala de aula - algumas não requerem nem uso do fogão”, explica Cecília. Desta forma, é possível incentivar um consumo maior de frutas, legumes e verduras e ensinar a importância de se reservar mais tempo para o preparo e consumo dos alimentos.

O material está customizado conforme as diretrizes do Guia Alimentar para População Brasileira, do Ministério da Saúde (MS) e também contempla expectativas de aprendizagem para o Ensino Fundamental I.  Organizado em três módulos, o programa permite aos professores definirem a profundidade do conteúdo aplicado e a duração do projeto ao longo do semestre. Além das aulas práticas, o teor do material didático está completamente alinhado às exigências curriculares e incentiva os alunos a abordarem os temas relacionados de forma ativa: de onde vem a comida; como os alimentos são manuseados, transportados e vendidos; quais as formas mais saudáveis de manusear, preparar e comer a comida?

Além do material impresso que cada professor receberá, também será oferecida uma capacitação presencial, além de monitoramento e avaliação distribuídas ao longo dos meses do programa. “Durante o desenvolvimento do programa, evidenciamos a necessidade de ter conteúdos mais inovadores e relevantes para tratar sobre alimentação saudável de forma mais transversal nas redes públicas de ensino” explica Wal Flor, sócia-fundadora da Lynx, ressaltando que o sucesso da iniciativa será resultante da integração de todas as partes envolvidas. “Certamente, a avaliação é fundamental para que seus resultados sirvam de base para futuras adaptações e extensão do programa por toda a rede educacional catarinense. O projeto tem potencial para contribuir com as políticas públicas nesta área”, finaliza Wal. O piloto em Santa Catarina está sendo cuidadosamente executado e, obviamente, direcionado com um olhar nacional para que haja possibilidade de expansão para as demais regiões do País.

Tags: Santa Catarina SC merenda Alimentação Escolar