NOTÍCIAS

Maranhão 13:03, 30 out 2019 Gestoras de escola estadual idealizam projeto que reduz evasão escolar

Gestoras de escola estadual idealizam projeto que reduz evasão escolar


“Existe esse sentimento de missão cumprida, de fazer o bem, de ajudar o outro. Quando a gente toma a frente de uma trabalho como esse, a gente quer mesmo é que o nosso aluno cresça. Essa é a nossa preocupação e o grande empenho de todos que estão aqui somando, para que a escola seja uma referência nesse trabalho de fazer com que o nosso aluno cresça”. O depoimento é de Kátia Ferreira, gestora geral do Centro de Ensino Cidade de São Luís, escola da rede pública estadual localizada no bairro da Cohab, na capital maranhense.

Com o objetivo de reduzir a evasão escolar, proporcionando às mães que estudam no período noturno comodidade e segurança para seus filhos, Kátia Ferreira e Maria Lúcia Carvalho, gestoras do Centro de Ensino idealizaram o Projeto Ludoteca.

“Eu estou gestora aqui desde 1986, enfrentando várias situações no decorrer de todos esses anos de experiência e há três anos, eu e a diretora Lúcia, sentimos a necessidade de montar um projeto com a intenção de corrigir a evasão escolar. Nos juntamos e formulamos, eu, em busca dos resultados, e ela, na operação mais direta, com os pais dos alunos, com os alunos, com as professoras”, conta Katia Ferreira.

“Nosso índice de evasão, principalmente feminino, reduziu bastante por conta desse projeto. As alunas que têm filhos pequenos ficam e vêm tranquilas porque seus filhos ficam bem, lancham e ficam aqui acompanhados de uma profissional da área da educação. Então elas vão tranquilas, assistem suas aulas e no final do horário passam aqui e buscam seus filhos ‘pra’ casa”, complementa a gestora.

Iniciado no ano de 2016, o ‘Ludoteca’ consiste em uma antiga sala de aula, transformada em um espaço para lazer e descanso, adaptada para acolher os filhos e filhas das estudantes que não têm com quem deixar suas crianças enquanto estão assistindo às aulas do Ensino Médio ou nas etapas da Educação de Jovens e Adultos (EJA). Ao longo desses três anos, já passaram por lá cerca de 100 crianças e adolescentes, sempre na faixa etária de 2 a 16 anos.

“Temos um apoio muito grande de todos os professores para que o projeto flua. Aqui [na escola] nós temos jovens e adultos; meninas de 18 até mais de 30 anos deixam seus filhos. E nesses três anos já passaram por aqui quase uma centena de crianças. Esse não é um projeto em que nós buscamos mídia, fazemos pelos nossos alunos e pela diminuição da evasão escolar da nossa escola”, diz Maria Lúcia Carneiro, gestora adjunta do CE Cidade de São Luís e também idealizadora do Projeto.

Lúcia Carneiro fala, ainda, que a maior satisfação é receber os depoimentos de reconhecimento dos estudantes que já passaram pela escola e conseguiram concluir o Ensino Médio após o auxílio do Projeto.

“Temos muitos relatos de alunos que dizem que precisavam do projeto e que depois dele, graças a Deus, conseguiram concluir os estudos. E esse ano também não está sendo diferente, temos muitas alunas terminando o Ensino Médio e que deixam seus filhos aqui, confortáveis. Eles vêm, brincam enquanto os pais estudam. Essa não é uma sala de estudos, especificamente, mas é uma sala de lazer e brincadeiras com as professoras que nos ajudam”, explica a gestora.

A gestora adjunta conta ainda que, ao término do ano letivo, fica um misto de sentimentos. Primeiro, o de missão cumprida, pois é por meio do Projeto que as mães conseguem concluir seus estudos, mas também, fica a saudade já que com essa conclusão as crianças deixam de frequentar a Ludoteca.

“Nós sentimos falta dessas crianças, às vezes temos vontade de buscá-las em casa, mas não podemos fazer isso. Mas, fica o sentimento de missão cumprida. Costumo dizer que se eu sair dessa escola, espero que o projeto seja abraçado por outros gestores que aqui vierem e possam dar continuidade, pois todos sabem que esse projeto não é só nosso, é da comunidade”, declara Lúcia Carneiro.

Reconhecimento

O sentimento de satisfação e gratidão por parte das mães que utilizam o espaço também não é diferente. Casos como o da estudante da 2ª etapa da EJA, Ana Celia Nascimento Ferreira, que deixa as duas filhas, uma de 16 e outra de 7 anos, na Ludoteca enquanto estuda para realizar o sonho de cursar a faculdade de Gastronomia.

Projeto-Ludoteca-Governo-do-Maranhao (3)“Eu achei legal ter espaço para que as crianças fiquem enquanto as mães fiquem na sala com a cabeça concentrada nos estudos, sabendo que as crianças estão em um espaço seguro, sendo bem cuidados. Agradeço muito às gestoras por esse incentivo que dão para nós, mães. Eu sou de Centro Novo do Maranhão, moro só com minhas filhas aqui, e não estudava porque não tinha com quem deixar. Agora, eu acredito que vou concluir meus estudos e me formar em gastronomia, como sonho”, afirma Ana Celia.

O sonho de concluir os estudos, dar um futuro melhor para os filhos e ingressar em um curso superior também é dividido pelas estudantes Pamela Batista e Danielle Souza.

“Agradeço pelo projeto maravilhoso, porque graças a elas [as gestoras] muitas mães voltaram a estudar e vão ter um futuro melhor para elas e ‘pros’ seus filhos através do estudo”, destaca Pamela Batista, estudante da 3ª série do Ensino Médio.

“Um dos motivos por eu ter voltado a estudar foi porque eu encontrei aqui a ajuda de quem pudesse olhar meus filhos enquanto eu ‘tô’ estudando. Eu me sinto muito segura em deixar meus filhos aqui porque eu sei que eles estão em um ambiente agradável, sendo bem cuidados, com uma alimentação, porque até o lanche eles dão aqui. Quero ser professora e vi nesse projeto exemplo ‘pra’ realizar meu sonho também”, concluiu Danielle Costa de Souza, estudante da 2ª etapa da EJA do CE Cidade de São Luís.

Fonte: Seduc_MA

Texto: Letícia Pinheiro

Fotos: Divulgação


Tags: Maranhão Gestão Escolar MA