NOTÍCIAS

Pará 16:38, 15 fev 2018 Escolas no Pará investem em aprendizagem de tempo integral

Foto:

Aprendizagem em maior tempo na escola. Essa é filosofia do Programa Ensino Médio em Tempo Integral (EMI) da Secretaria de Estado de Educação (Seduc), com foco na expansão da oferta de ensino a adolescentes e jovens, a fim de melhor capacitá-los não apenas para as avaliações educacionais e o mercado de trabalho, mas, também, para os desafios da vida pessoal.

A aprendizagem dos alunos ocorre por meio de aulas e atividades programadas no período de 7h30 às 17 horas, de segunda à sexta-feira em 22 escolas estaduais em sete municípios paraenses.

O Ensino Médio em tempo integral começou em 2012, tendo como escolas piloto a Temístocles de Araújo, no bairro da Marambaia, e a Augusto Meira, em São Brás. Em 2014, a Escola Manoel Leite Carneiro, no bairro do Tenoné, foi inaugurada e passou a funcionar em tempo integral, o mesmo ocorrendo com a Escola Padre Eduardo, na Ilha do Mosqueiro, em 2015.

O programa no âmbito da Seduc foi intensificado em 2017, mediante o fomento do Governo Federal na rede de escolas públicas estaduais no País. Para o ano letivo de 2018, o universo de escolas estaduais com Ensino Médio em tempo integral no Pará passou de 15 para 22, elevando o atendimento de 3.400 alunos para 6 mil estudantes.

Desde o ano passado, a Seduc atua na adaptação de escolas para o regime de tempo integral. As 22 escolas do programa passarão por reforma a partir do cronograma de financiamento do Governo Federal. A Escola Mário Chermont é a primeira a receber a reforma.

Quinze escolas passarão por adaptações este ano, e outras sete em 2019 e 2020. Equipamentos e material didático são repassados para as escolas.

Experiências pedagógicas

Em 2017, 300 estudantes de Ensino Médio foram atendidos no tempo integral da Escola Estadual Professor Temístocles de Araújo, no bairro da Marambaia. “Nós começamos a trabalhar tempo integral em 2012, e tem sido um avanço pedagógico para professores, porque além  das aulas em sala eles atuam em oficinas, projetos e no planejamento das atividades na própria escola”, ressalta o diretor da escola, Jedir Gomes.

Fora das aulas regulares, os estudantes participam de oficinas, como atividades programadas no laboratório multidisciplinar da escola; xadrez escolar; informática e ainda vôlei e futsal. São desenvolvidos projetos como o de orientação contra o uso de drogas e o de ensino de violão e flauta doce para os alunos.

Como resultado da comunidade escolar envolvida, a “Temístocles de Araújo” contabiliza 16 “calouros” no vestibular de instituições de ensino superior. “Temos uma média de oito a dez alunos de Ensino Médio que chegam na escola vindos de escolas particulares para o tempo integral”, arrematou o diretor Jedir Gomes.

Alunos do 2º ano do EMI na “Temístocles de Araújo”, os estudantes Joyce Ribeiro,15 anos, e Wallace Brasil, 18 anos, aproveitam as aulas e atividades na escola. “Eu aprendo mais no Tempo Integral, me preparo melhor para as provas”, declarou Joyce, que pretende ser médica. Wallace quer ser professor de Educação Física e não titubeia ao falar sobre a sistemática de ensino: O tempo que fico na escola me incentiva a estudar, porque aqui eu tenho aulas e oficinas na semana”.

Escolas ainda dispõem de vagas para tempo integral

“As matrículas do Ensino Médio podem ser feitas nas próprias escolas. O ensino em tempo integral é uma organização pedagógica diferenciada que potencializa a aprendizagem  por agregar conteúdos e desafios ao aluno por meio de pesquisas, projetos e atividades específicas no espaço da escola”, destacou Jane Cardoso, coordenadora do EMI.

Há vagas para matrícula de alunos no EMI nas escolas Vilhena Alves, Temístocles de Araújo e Mário Chermont. Funcionam com o Ensino Médio em tempo integral escolas:

Em Belém – Manoel Leite Carneiro, Padre Eduardo, Ulysses Guimarães, Vilhena Alves, Augusto Meira, Temístocles de Araújo, Visconde de Souza Franco, Avertano Rocha e Mário Chermont;

Em Ananindeua – Joaquim Viana e Antônio Teixeira Gueiros;

Em Marabá- Gabriel Sales Pimenta, Plínio Pinheiro, Liberdade e Gaspar Vianna;

Em Santarém - Frei Ambrósio e Maria Uchoa Martins.

Em Bragança – Bolívar Bordalo da Silva, Argentina Pereira e Luiz Paulino Mártires;

Em Barcarena – José Maria de Moraes. Em Maracanã, Escola Izidório Francisco de Souza.



Texto:Eduardo Rocha - Ascom Seduc

Foto:Rai Pontes -  Ascom Seduc 


Tags: Pará PA ENSINO INTEGRAL Desenvolvimento Estudantil Educação de Qualidade