NOTÍCIAS

Sergipe 09:03, 10 nov 2020 Alunas de escola do Alto Sertão Sergipano são credenciadas para exposição científica nos Estados Unidos

Foto:

O projeto é o “Plastleite” obtém bioplástico a partir do soro de leite

Os alunos do Colégio Estadual Dom Juvêncio de Britto, de Canindé de São Francisco, continuam se destacando na participação em feiras científicas em todo o país. Desta vez a conquista foi ainda mais longe, e uma equipe formada por três alunas e um professor está com apresentação garantida em uma exposição científica internacional. O projeto é o “Plastleite”, coordenado pelo professor Alex Alves Cordeiro. Com esse trabalho foi possível realizar práticas experimentais que consistem na retirada da proteína caseína e, por meio de processos físico-químicos, obter um bioplástico feito a partir do soro de leite, abrindo a possibilidade para o desenvolvimento e utilização de filmes comestíveis e biodegradáveis.

As alunas da equipe, todas do 3º ano do Ensino Médio, são as jovens Thayrlla Rayssa Teixeira Barboza, Vitória Soares dos Santos e Maria Eduarda Inácio da Conceição. Elas, juntamente com o professor Alex Cordeiro, participaram da 5ª edição da Feira Brasileira de Iniciação Científica (Febic), sendo contempladas em 2º lugar na categoria Ciências Agrárias. Com isso, a equipe ganhou uma credencial internacional para a Genius Olympiad, que acontecerá em 2021 em Nova York, nos Estados Unidos. O evento ainda não tem data definida para acontecer, e não está definido se será presencial ou virtual. Os alunos também ganharam credenciais para participar da Muestra Científica Latinoamericana (MCL), que acontecerá em 2020, no Peru.

De acordo com o professor de biologia Alex Alves Cordeiro, orientador das alunas, essa é uma grande conquista para toda a comunidade escolar. “A participação delas é uma forma de motivar e engajar os alunos, além de mostrar, na prática, que os seus conhecimentos e pesquisas podem solucionar problemas do cotidiano, sejam ambientais, sociais ou até pessoais. Além disso, colocar essas três alunas em contato com outras culturas é de um engrandecimento incrível, abre para elas um maior leque de possibilidades. Isso também motiva os outros alunos a quererem fazer esse tipo de pesquisa. A gente vê os olhos brilhando a cada degrau que conseguem subir”, disse.

A equipe do Plastleite já participou, com destaque, em outras exposições científicas, como a Feira Brasileira de Jovens Cientistas (FBJC), Feira Nacional de Ciência e Tecnologia do Colégio Dante Alighiri (FeNaDANTE), Feira Científica de Sergipe (Cienart), Mostra Científica de Inovação e Tecnologia – Arapiraca (Mocit), e participará, em dezembro, da Mostra Científica do Cariri (Mocica), no Ceará.

Para a aluna Vitória Soares dos Santos, participar de feiras científicas é uma das melhores experiências que os jovens cientistas podem ter. “O sentimento sempre é o mesmo, de muita alegria e também surpresa, pois não imaginávamos que ganharíamos tamanha repercussão. O nosso credenciamento para participar do Genius Olympiad foi recebido com muita gratidão e satisfação de sabermos que o nosso projeto está, cada vez mais, indo longe. A nossa vontade de melhorar as condições do mundo em que vivemos também está na posição de crescimento. Estamos muito felizes e realizadas”, declarou.

Black White

Outra equipe de destaque do Colégio Estadual Dom Juvêncio de Britto é a do projeto “Black White: adaptando-se ao sertão”, composta pelos alunos Éltony Teixeira Gomes, Jamyle Feitosa Domingos e Lorena Daiana Silva da Paixão, todos do ensino médio. O trabalho, orientado pela professora de química Lark Soany Santos busca a purificação de água do barreiro (considerada imprópria para atividades rotineiras), utilizando espécies típicas da região a exemplo de agentes coagulantes, como cactáceas e o quiabo.

A equipe também participou da 5ª edição da Feira Brasileira de Iniciação Científica (Febic) e ganhou credenciais para exporem o projeto na próxima edição da Feira de Ciências no Pará (Mocitec Jovem). A professora Lark Soany comemora mais um feito dos seus alunos. “Sempre ficamos muito felizes com cada conquista, seja qual for o credenciamento, destaque ou classificação. Para nós, todas são importantes. E ganhar mais um credenciamento agora foi muito legal, porque nos permitirá ter a possibilidade de levar o nosso projeto para outro estado, para outro público, e assim divulgá-lo ainda mais. Todas essas premiações só nos fazem crer que estamos no caminho certo. Nós, do Black White, estamos muito felizes com os resultados que o nosso projeto vem alcançando”, afirmou.

A aluna Lorena Daiana Silva da Paixão mostrou-se bastante entusiasmada com a classificação para mais uma exposição científica. “Participar das feiras de ciências é muito gratificante para nós, pois isso nos mostra uma realidade diferente da que estamos acostumados na escola. Sempre nos sentimos muito felizes e realizados com cada feira que participamos, e dessa vez não foi diferente. Com o credenciamento para a Mocitec Jovem, nós vemos que temos uma bela oportunidade de mostrar a outras pessoas uma forma de ajudar a mudar a realidade do meio onde vivemos”, declarou.


Tags: Ciência e Tecnologia Sergipe SE Ciência na Escola